Sript para Adicionar o site como Favorito Instituto Ideias do Brasil
Nos Siga no Twitter Comunidade do Orkut Perfil do FaceBook Grupos do Google Canal do Youtube do IDEIAS do BRASIL

Carregando

 Ideias do Brasil
REVISTA ELETRÔNICA IDEIAS DO BRASIL
Último Segundo Mundo Brasil
Ciência & Meio Ambiente Tecnologia Diversão
Esportes Artigos & Colunas Newsletter do IDEIAS

DIREITOS HUMANOS - E EU MÁRCIO VAZ COM ISSO?

Símbolo dos Direitos Humanos

Autor: Márcio Vaz
Conheça mais o Colunista, clique aqui.

Antes de pensar ou escrever que o eu tenho a ver com os Direitos Humanos, dirigi-me a leitura dos mesmos, para poder estruturar uma maior convicção da minha opinião. Os Direitos Humanos fundamentam-se na preservação da vida e sua integridade física, moral e social. Baseia-se no direito a liberdade de pensamento, de expressão e igualdade perante a lei. Logo, a transgressão dos direitos fundamentais incide no que viola a vida e sua pujança, que diz respeito ao direito de ser e ser diferente, ter liberdade quanto a suas crenças, bem como discriminação em virtude de raça, cor, deficiência, ou condição étnica e sexual.

Quando ouço falar em Direitos Humanos, a primeira coisa que me vem à cabeça, por ser a mais divulgada, é a injustiça que o transgressor da lei recebe ao ser preso com violência e ser posto em uma cadeia que se encontra em condição precária e desumana, que não reabilita, só declina mais ainda o sujeito para a marginalidade. A agressão física sofrida e o descaso de uma justiça morosa, que só favorece a quem tem condições de pagar por um bom advogado, ferem a legitimidade da lei que diz respeitar os direitos de todos com igualdade e sem qualquer tipo de descriminação. Em contrapartida vemos o trabalho das ONGS que defendem os direitos dos cidadãos que se encontram excluídos da sociedade na condição de vulnerabilidade social.

Particularmente, acho esse um assunto polêmico e complexo, pois envolve várias vertentes e uma delas é a sociedade da qual faço parte. Fico sempre dividido entre a revolta e a compreensão, a sede de justiça e o sentimento de culpa por omissão. É difícil pender sempre para uma mesma diretriz, tratando-se de casos tão distintos quanto a sua razão, porque, contexto, grau de crueldade e ignorância. Trata-se de um poder público movido pelo egoísmo, orgulho e vaidade, e de um povo maleável e pacífico talvez até pela sua fraqueza de caráter e sua falta de compaixão, o que justifica tamanha morbidade.

Quando o assunto trata-se de preconceito, sou absoluto em defender e respeitar as diferenças seja elas quais forem. Desde claro, que as opções, orientações e ações de um indivíduo não ultrapassem a liberdade e os direitos de outrem. Porém, nem por isso a defesa torna-se unânime, pois ela faz parte de um contexto, no qual a presença do auto-preconceito torna-se algo considerável e perceptivo quanto a sua existência. Um exemplo disso, é que se uma pessoa da cor negra sofrer uma agressão verbal, não necessáriamente o fato foi provocado pela sua cor ou a razão foi advinda do preconceito em si, mas sim devido à situação ocorrente, em que independente da cor do agredido, o contratempo seria o mesmo. Mas na presença do auto-preconceito, a atribuição e alegação do que se diz vítima será sempre o racismo, mesmo ele tendo sido o pivô do conflito. Ainda assim, sou a favor de que preconceito seja crime e passível de prisão. Porém, digno de avaliação quanto a sua contextualização e complexo quanto à reclusão e cumprimento da lei, uma vez que dificilmente obtêm-se provas palpáveis e cabíveis de punição. Um dano moral e social, diferentemente do físico que recorre-se ao corpo delito, são abstratos e estão sujeitos as interpretações, conceitos culturais, e ao que entende-se por responsabilidade social e ampliação da cidadania.

É na cidadania que se deve nutrir a sua razão de ser, irmana-se, assim, a todos os membros da comunidade em direitos e deveres. Sendo que o que se vê é um direito humano contrário a segurança pública. Uma dualidade e antagonismo entre uma “sociedade civil” e uma “sociedade policial”. E é para mim, exatamente aqui que o assunto torna-se complicado. Defronto-me com um poder público corrupto e ineficiente, uma sociedade omissa, capitalista e indiferente a uma realidade recorrente do descaso, uma polícia despreparada, mal remunerada e desconstituída de princípios e valores éticos e Moraes e por fim uma criminalidade fruto da necessidade, ignorância, abandono e da ausência de estruturas formadoras de bases. Um país que investe em segurança e não em escolas, uma sociedade que prefere aumentar muros e blindar carros, há promover ações sociais. Acredito na frase em que diz que colhemos os frutos do que plantamos, seja na indiferença com o próximo, seja na eleição de crápulas. Com a democracia, ganhamos o direito de escolha e mesmo assim não mudamos nossa atitude perante a alienação. Vivemos em um país onde a moral inexiste, o certo virou o errado, ser esperto é dar-se bem em cima de alguém e a melhor defesa é sempre o ataque.

Um mundo cada vez mais competitivo e individualista, onde é cada um por si e Deus contra todos. Tornamo-nos frios e a desgraça que assola virou-se normal. Mendigo é comum e assalto trivial. Quem nunca foi assaltado? E se não foi! Que planeta habitais? E assim levamos, com o tal chamado jeitinho brasileiro, que se molda e se adapta ao que é bom, mas também ao que é ruim, desde que não nos tire da nossa zona de conforto. Mas há quem diga que suportamos calados? Não, JAMAIS, nós julgamos e criticamos, vemos uma pessoa vitima da violência no chão sagrando por ter sido esfaqueada e exclamamos: Nossa como é que pode! Ninguém faz nada para socorrê-la! Sem ao menos nos considerarmos alguém. Isso é fato, é mais fácil apontar do que ser apontado, julgar do que ser julgado, encontrar problemas do que arranjar soluções. Vivemos num país de faz de conta, onde ninguém o faz e todos fazem de conta.

O que pensar dos direitos humanos? Melhor não pensar, para não atribuirmo-nos culpa por nossas ações, e principalmente por nossas omissões. Vejo diariamente relatos advindos da mídia, que garantem a audiência transmitindo calamidades. Violência e morte, estupro e medo, corpos despedaçados lançados aos cachorros e carros submersos ocultando cadáveres. Crimes com requinte de crueldade, e um direito humano que por muitas vezes penso eu, atender e defender aos desumanos. As falhas existem, sistemas públicos falidos, instituições precárias, mas o que pensar, quando se trata de gente instruída, onde a perversidade não se esconde ou se defende atrás do berço e da dificuldade. ONGS que defendem os bandidos no que diz respeito à abordagem e ao maltrato por parte dos policiais, mas quem é que defende os policiais dos atentados sofridos para intimidação e execução, sendo estes detentores de um mal preparo e baixíssimo salário. O suborno acaba sendo, revolta, medo ou falta de caráter. Prisioneiros que queimam colchões e os tem no dia seguinte de volta por não poderem dormir no chão. E quem é que paga o prejuízo? Mas de quem é a culpa? Quem é que permite a reincidência? E onde fica aqui, o sofrer as conseqüências por suas ações. Por que será que sabe-se que é ruim a reclusão e mesmo assim comete-se as transgressões.

Realmente é difícil conceber o que é certo ou errado e de que lado ficar. O que faria eu? Infelizmente não dá para saber, só a situação dirá. Não somos corruptos, mas somos corruptíveis. Quem é de nós, que condena um desvio de verba feito na política, que nunca teve um gato feito em sua casa, ou que nunca no transito excedeu o limite da velocidade máxima permitida e diminuiu perante um foto sensor, ou cometeu algum outro tipo de violação, que possa realmente julgar e condenar alguém. Ou seja, quem é o verdadeiro culpado, ou porque não dizer o culpado maior. O que fazer ou a quem defender. Criminosos ou vítimas, ou porque não dizer vítimas criminosas. Não sei se me faço entender, porém não precisa, pois eu mesmo não me entendo. Ainda acho que a melhor saída é perceber que cada caso é um caso, e a cada circunstância uma nova medida a ser tomada. Mesmo assim, estamos sobre o crivo do julgamento humano, detentores de conceitos e preconceitos apriores, qualidades e defeitos, filhos de uma cultura e educados por uma nação. Pertencentes ao clã dos imperfeitos, cheios de dogmas e paradigmas que passam pelo julgo da sua interpretação e concepção. Donos do seu livre arbítrio que os estendem escolhas virtuosas, tanto quanto as defeituosas. Estamos à mercê de quem? E quem somos nós?

Essa é uma descoberta derivada da reflexão, do auto-conhecimento e da reforma intima, que nos contempla com a moral e com o bom senso, que se fazem necessários para que hajam mudanças concisas e relevantes de acordo com a realidade de todas as partes. Ninguém muda o mundo se não mudar-se a si primeiramente. Exemplos valem mais do que palavras e boas condutas de vida abrangem outras vidas, modificam lares e amolecem corações. Que cada um faça a sua parte, acreditando na dimensão do seu ser. Que cobre, mais aja, que critique, mais solucione, que lute com garra, sempre tendo em vista que lutas pelo que é seu. Seja seu bem estar próprio, seja pelo bem estar coletivo que pertence a sociedade com a qual interages. O que precisamos é estarmos prontos para agir com firmeza e sensatez, compreendendo que as violações dos Direitos Humanos atingem muito mais aqueles que são excluídos socialmente ou que pertencem a minoria étnica, religiosa ou sexual, mas que não constituem regra, pois todos nós somos culpados e inocentes até que se prove o contrário e nada do que se faça, nos retira o direito de sermos defendidos em pé de igualdade.


PARCEIROS
Logomarca do Governo Federal
Logomarca da CRS Empresarial

Logomarca da Esmaltec

Logomarca da Herbalife

Logomarca da Faculdade Fametro
PUBLICIDADE

F. J. G. Ortopedia, tudo para todos, Cadeira de Rodas e equipamentos!

Conheça o Espaço Vida Saudável da Herbalife no IDEIAS do BRASIL!

Logotipo de M�rcio Vaz Coaching e Consultoria

BLOGS & MOVIMENTOS

Conhe�a o Blog C�lulas Tronco e Reabilita��o

Entre no Grupo do Facebook Anda Brasil, surpreenda-se!

Conhe�a o Programa Supera��o!
NEWSLETTER

Receba Notícias do IDEIAS

Digite seu E-mail:
Últimas Newsletters:

 01/11/2012 - 13:05:25 
Lei de Fortaleza garante isenção no estacionamento de Shopping Centers para pessoas com deficiência 
 03/09/2011 - 19:03:11 
Presidenta Dilma Rousseff sanciona lei que permite trabalho para beneficiários do LOAS  
 06/08/2011 - 21:50:45 
Transplantado com células-tronco na Bahia tem avanços 
Veja mais!

© 2013 Instituto IDEIAS do BRASIL | Todos os direitos reservados
Rua Olegário Memória, nº 2510. Bairro Sapiranga. CEP.: 60833-045
Telefone: (85) 3261-2601 | @